• Partilhar:
Acompanhamento ao idoso - procura está a aumentar
Alexandra Lopes, especialista em envelhecimento, afirmou que “cuidar de um idoso exige competências específicas”. O acompanhamento ao idoso está a tornar-se essencial.

O aumento populacional é uma realidade já bem assente em Portugal. Há medida que o número de idosos aumenta, a necessidade de acompanhamento dos mesmos passa a ser maior também.

O acompanhamento ao idoso está a tornar-se cada vez mais essencial para prevenir a perda de capacidades cognitivas e físicas O acompanhamento ao idoso está a tornar-se cada vez mais essencial para prevenir a perda de capacidades cognitivas e físicas

Em entrevista ao jornal Público, Alexandra Lopes (Departamento de Sociologia da Universidade do Porto) declarou que “é necessário um acompanhamento médico regular e uma atenção especial ”. Este acompanhamento surge como forma de precaver perdas de certas capacidades cognitivas e motoras.

 

“Continuará a aumentar a procura pela prestação de cuidados”


Os dados existentes mostram que o envelhecimento populacional é continuo e que não se está a alterar. Por essa razão, Alexandra Lopes afirma que a procura pelo acompanhamento ao idoso irá continuar a aumentar.

Para a especialista em envelhecimento, o apoio domiciliário é cada vez mais essencial. Para além de custar menos ao Estado, é também mais proveitoso para as pessoas. Desta forma, o idoso consegue ser auxiliado nos afazeres do dia-a-dia e motivado para se manter autónomo.

Curso de Geriatria

Contratar um auxiliar de geriatria para que o idoso se mantenha autónomo quase parece um contra-senso. No entanto, só assim se previne que a pessoa tenha perdas sensoriais. O exercício contínuo de actividades diárias faz com que a perda de capacidades não se transforme em “males maiores em termos de saúde, como as quedas”.

Muitas vezes acabam por ser os próprios familiares a cuidar dos idosos. Porém, Alexandra Lopes adverte que o acompanhamento ao idoso “exige algumas competências específicas”, como ajudar a dar banho, estimular o idoso cognitivamente, entre outros. Estas competências nem sempre são do domínio dos familiares que prestam esse apoio e, por essa razão, a formação é essencial.

Na sua entrevista, a especialista em envelhecimento, afirmou que o apoio domiciliário tem estado a aumentar. No entanto, ainda não é suficiente e precisa de uma aposta maior para que se adie a institucionalização ao máximo.

Artigos relacionados

Comentários

04 de Agosto de 2020Maria Luíza Pinto
fazer companhia a sra idosa algumas horas por dia, serviços pesados não posso, mas acompanhar ao médico ,se não estiver acamada ir dar uma voltinha com a sra, coisas leves eu consigo, estou habituada a fazer companhia a sras idosas
Responder
07 de Agosto de 2020Master D - PT

Olá, Maria 



Cuidar de idosos requer muito amor, dedicação e vocação. Ajudar alguém que precisa de apoio nas suas atividades diárias é muito gratificante. 



Continue o trabalho tão necessário!



Atenciosamente,



Master D


Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos recentes:

Categorias:

Conteúdos em Destaque:

Siga-nos:

Últimas notícias

Sobre a Master.D